SPUrbanuss

Bonde novo pode mudar centro de SP

10/10/2017

Bonde novo pode mudar centro de SP
 

Fonte: Folha de S.Paulo
 

Bondes elétricos no centro de Melbourne, capital do Estado australiano de Victoria. [FSP-Turismo-30.11.95]*** NÃO UTILIZAR SEM ANTES CHECAR CRÉDITO E LEGENDA***
Bondes elétricos no centro de Melbourne, capital do Estado australiano de Victoria    


Parece detalhe, mas um modo de transporte socialmente integrador mexe com o coração da cidade
 

O projeto Centro Novo, anunciado há poucos dias pela Prefeitura de São Paulo, tem várias coisas velhas: a primeira delas é que todos os prefeitos que tomam posse na cidade, desde os anos 1980, anunciam planos para a revitalização da área. Cada um cria uma marca que dura quatro anos, mas mesmo assim o processo em si avança a passos de tartaruga, mais pela fé dos indivíduos que do poder público.
 

Centro Novo, Arco do Futuro, Nova Luz são apenas os mais recentes nomes dos programas municipais para o centro velho. Então, preservo o ceticismo até ver a inauguração das novidades propostas pelo prefeito Doria, por Jaime Lerner e pela entidade do mercado imobiliário, o Secovi.
 

Um ponto frágil do projeto é que ele está baseado apenas na potência do mercado imobiliário. E este, por maior que seja sua lucratividade em certos momentos, é muito suscetível às crises que abalam o país. O sucesso consistente da construção civil depende de financiamentos por prazos maiores que 20 anos. No Brasil, as crises ocorrem regularmente em ciclos menores que isso.
 

Como mostra Raul Juste Lores no livro "São Paulo nas Alturas", o boom imobiliário dos anos 1950/60 foi interrompido pela crise inflacionária do início dos anos 1960: as empresas tinham muito a receber, mas o dinheiro entrava valendo menos do que a alta do custo real da construção. As construtoras quebraram. Ciclos semelhantes de crescimento e crise ocorreram nos anos 1970, 1990 e 2010.
 

O que se vê olhando o passado é que as fases de sucesso no mercado imobiliário brasileiro são mais curtas do que o prazo necessário para o financiamento habitacional criar um ambiente sustentável de longo prazo. Então, de tempos em tempos, os consumidores e as empresas se retraem –para não dizer que ocorrem "quebradeiras".
 

É ingênuo, portanto, acreditar só na capacidade de alavancagem do mercado imobiliário para um projeto que, por baixo, vai custar dezenas de bilhões e demorar mais que oito ou 12 anos para amadurecer. Falta, na equação, alguém com dinheiro capaz de esperar 20, 30 anos pelo retorno. Nos outros países do mundo, essas entidades geralmente são fundos de pensão. Mas a cauda longa do governo federal também limita o desenvolvimento dos nossos. Enfim, falta uma parte importante da lição de casa do projeto Centro Novo.
 

Um aspecto interessante do projeto é a tal linha circular de transporte coletivo. Ela é importante para as pessoas se moverem sem carro em uma área de trânsito caótico; para integrar outros sistemas de transporte público e para o encontro das diferentes classes sociais movendo-se pela área central.
 

Melbourne, uma das cidades mais confortáveis do hemisfério Sul, tem uma linha circular em torno do centro e todos os transportes públicos gratuitos dentro do perímetro. E isso é apontado como uma razão importante para a qualidade de vida local.
 

Parece um detalhe, mas um modo de transporte integrador como esse pode mudar a percepção da cidade. Sugiro o nome Bonde Novo, em memória do tempo em que a cidade tinha um transporte coletivo eficiente, que era usado igualmente pelo prefeito, por empresários e trabalhadores, em seus deslocamentos pela cidade. 


 

O SINDICATO

O Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo – SPUrbanuss é uma entidade civil, sem fins lucrativos, que congrega as empresas concessionárias responsáveis pelos serviços de transporte de passageiros por ônibus do Município de São Paulo.

CONTATE-NOS

Rua Helena, 218 - 11º Andar
São Paulo - SP
CEP: 04552-050

Fone: 5186-5500